Madrid || En la ciudad de las 153mil viviendas vacías, familias desalojadas ocupan edificio ocioso

Despejadas, famílias espanholas decidem ocupar prédio vazio em Madri

Construção na rua Corredera Baja de San Pablo está desocupada desde 2009; capital tem 153 mil moradias vazias
Rafael Duque/Opera Mundi

Fachada do número 33 da rua Corredera Baja de San Pablo, em Madri: local foi ocupado no dia 5 de janeiro

Às 18h30, como combinado, a reportagem de Opera Mundi chega ao edifício de número 33 da rua Corredera Baja de San Pablo, no bairro de Malasaña, centro de Madri. A porta do local está fechada com dois cadeados e é possível escutar uma conversa no corredor de entrada. “Não estou conseguindo ligar o fio do segundo andar, eles estão sem luz ainda”, lamenta uma das vozes. “Nós temos que arrumar isto, esta semana vai fazer frio”, comenta a outra voz.

Ao perceberem que alguém espera no portão de entrada, a conversa para. Um rosto aparece em um pequeno vão entre a porta e a parede e pede algum documento que confirme a identidade da reportagem. Depois de conferir a identificação, o jovem de cara fechada abre a porta. Já no primeiro andar do edifício, um grupo de oito pessoas abre uma roda e, sentados no chão, começam a contar por que estão ali e o que pretendem fazer deste edifício.

O prédio foi ocupado no último dia 5 de janeiro, durante um feriado prolongado na Espanha. Segundo os atuais moradores, a construção está vazia desde 2009. A ocupação foi realizada pela Assembleia de Moradia Centro, um grupo que nasceu do movimento dos indignados espanhóis e que lida com problemas de moradia em quatro bairros do centro da capital espanhola. De acordo com os participantes, o coletivo possui em torno de 30 membros, que se reúnem semanalmente para avaliar os problemas dos madrilenhos e discutir como enfrentá-los.

Apesar de ter nascido dentro do movimento dos indignados, o grupo trabalha em conjunto com a Plataforma de Afetados pela Hipoteca (PAH), coletivo famoso no país por ajudar os espanhóis que estão prestes a perder suas casas. “Utilizamos as ferramentas da PAH, como a paralisação de despejos. Neste caso, estamos no marco da última campanha, chamada Obra Social, que busca a recuperação de edifícios vazios. Aqui [em Madri] é um pouco separado, a assembleia e a PAH Madri. Um pouco para conservar esta característica de assembleia de bairro”, explica Julia, integrante do grupo que não quis dar seu sobrenome.

Na Espanha existem 3,4 milhões de casas vazias, o que representa 13,7% do total de moradias construídas. O número de casas vazias aumentou 10,6% nos últimos dez anos e, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), 84,9% destas moradias estão em boas condições. Ou seja, aproximadamente 2,88 milhões de casas estão aptas para serem ocupadas, mas continuam fechadas. Na capital espanhola, a prefeitura estima que mais de 153 mil moradias estão desocupadas. Enquanto isso, o Conselho Geral do Poder Judiciário informa que, apesar de uma redução anual de 12,9%, 104 famílias são despejadas diariamente no país.

Rafael Duque/Opera Mundi

Participantes da ocupação; 11 famílias pretendem morar no local

Esta situação leva muitos espanhóis em situação crítica às reuniões da assembleia. Julia explica que o processo para ajudar estas pessoas é longo e que a ocupação é a última opção do grupo. “Ao final, quando não há nenhuma outra alternativa, quando se esgotaram todas as vias de negociação, tanto com a instituição concreta, seja um banco ou imobiliária, ou com a entidade pública, escolhemos esta última opção. Recuperamos um edifício vazio, tentamos que seja uma propriedade de um banco, e seguimos negociando”, afirma.

Uma vida em 20 caixas

Sem emprego há quatro anos, Carmen pertence a uma das 11 famílias que pretendem morar no prédio da rua Corredera Baja de San Pablo. Ela conta que, antes de ser demitida, alugava um quarto em um apartamento amplo. “Com o auxílio desemprego e a indenização da demissão pude seguir por um tempo. Eu ganhava entre 600 e 700 euros ao mês e isso dava para alugar um quarto e nada mais. Ou seja, não dava nem para comprar roupa nem nada. Então, quando isto acabou, consegui outro subsídio de 400 euros, e isso só me permitia comprar comida. Por isso, resolvi ocupar”, conta.

Carmen passou por outras duas ocupações antes de chegar à assembleia. Em ambas, entrou no edifício quando o mesmo já tinha uma ordem de despejo. “Eu tinha, nesses lugares, todas as minhas coisas. Tenho minha vida em umas 20 caixas. Fotos e recordações de toda uma vida. Coisas que eu não quero perder. Móveis, já não tenho mais. O que eu quero dizer é que, a mim, podem desalojar. Sempre posso encontrar algo, mas minha vida, minhas coisas, se perde”, lamenta.

Devido a umas dessas ocupações, Carmen responde a um processo criminal. Ela teme que uma nova ocupação possa levá-la à cadeia. “Com um processo eu posso responder em liberdade, mas se tenho dois, me levam para a prisão. Mas o que eu posso fazer? Se para um homem, viver na rua é difícil, para uma mulher é horrível”, afirma Carmem, que por medo de ir à prisão pede que a reportagem utilize um nome fictício.
Agência Efe

Prédio pertence ao banco Caixabank, que negocia com grupo aluguel social para famílias no local

Negociação

O prédio ocupado pertence ao banco Caixabank, que afirma que possui a propriedade há dois anos. Em uma reunião realizada nesta segunda-feira (13/01), o grupo que ocupa o edifício pediu à entidade bancária que as famílias se estabeleçam no local pagando um aluguel social, compatível com a renda de cada inquilino.

Uma fonte consultada por Opera Mundi afirmou que as negociações tiveram um ambiente positivo e que o banco acredita que se pode chegar a uma solução. O Caixabank teria pedido documentos que comprovem a situação das famílias e uma nova reunião será agendada dentro das próximas duas semanas. Devido a esta última campanha de ocupações da PAH, 712 espanhóis já conseguiram uma nova casa.

DSC_0063

Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s